domingo, 4 de outubro de 2015

Meditação filosofica

Concentração para minha alma

No princípio as conversas, as risadas, todo aquele barulho que ecoava na sala não somava muito quanto ao objetivo principal, a concentração.
Em direção a uma parede, de postura ereta, meu corpo devia postura tão quanto minha alma. Olhos fechados. De pouco a pouco tomava foco à meditação. Minha mente estava centrada num nada profundo, vago e escuro. Me senti por alguns minutos invisível, era como se eu tivesse dado uma pausa no mundo exterior e me dedicava de forma unica ao meu ser.Por fim dei-me consciência de mim mesmo quando o sino soou.


Por Marcos Rufino